"Sem mais, a vida vai passando no vazio
Estou com tudo a flutuar no rio
esperando a resposta ao que chamo de amor".

segunda-feira, 1 de março de 2010

PRIMEIRO DE MARÇO

Deitada na rua e na noite fria
lá se foi a jornada de Maria.
.
Fritava pensamentos, tingindo-os de vento
cosia trapos e desfazia barracos
ao som de Jobim e Pixinguinha
dentro e fora da linha.
.
Soltava a imaginação
enfeitava todo o pavão,
revigorava-se na sala
e aproveitava de antemão
da sorte que lhe faltava.
.
A noite ajudava Maria
enquanto esta podia
brincar com a solidão.
.
Foi-se embora a alegria
ficou então a agonia
onde dentro da madrugada
desinventava o que já sabia.
.
Sorrir já não cabia
em seus lençóis amarrotados
deitou-se a Maria
entre os cabelos cacheados
fingindo-se de viva
em meio aos seus bordados.
...

(suspirando de dor. de onde me vem esta dor? dor na alma. dor profunda, como se eu estivesse passado o dia todo em prantos. o que será isto???)

Um comentário:

Í.ta** disse...

a dor às vezes serve pra isso,
pra versos e poemas como este.

abraço daqui.