"Sem mais, a vida vai passando no vazio
Estou com tudo a flutuar no rio
esperando a resposta ao que chamo de amor".

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Um não sei quê


Creio no mundo como num malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nele
Porque pensar é não compreender...
O Mundo não se fez para pensarmos nele

(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo...
.
Eu não tenho filosofia; tenho sentidos...

Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe por que ama, nem o que é amar...
.
Amar é a eterna inocência,

E a única inocência não pensar...
.
(Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos", 8-3-1914 )

7 comentários:

Simplesmente Outono disse...

Não amar muitas vezes acaba sendo a melhor saída. Viver de momentos especiais é o melhor remédio e também a melhor prevenção.
Folhas secas pelo teu chão e mais uma vez obrigada pelo carinho.

ps.: já se encontrava devida e merecidamente linkada em minha estação, pois assim não fugirás mais da minha leitura diária.

Nadezhda disse...

Não gosto muito do Alberto Caeiro.

(É que às vezes me irrita)

;)

Tiago Moreira disse...

Texto invocado este, gostei muito, e a imagem é mui bela.

Beijos e boa semana.

J. Caribé disse...

Eu ADORO esse poema!

Pitango disse...

Lindão esse poema!

Abção
Gus
http://tchubaduba.blogspot.com/

Cesar disse...

Pessoa é perfeito. O poema é lindo.

Marcelo disse...

Agente nunca sabe o que é amor ou quando agente perde sabe que era amor aquilo o que agente sentia!

bjs