"Sem mais, a vida vai passando no vazio
Estou com tudo a flutuar no rio
esperando a resposta ao que chamo de amor".

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Cardume de versos

Sou agora um ser brotado da queda de uma estética emocional,

sou um ser regressado do tombo de um beiral alto

que crê romanticamente no amor.

Sou um afogado desesperado batendo nos bancos de areia,

exposto ao tufão das memórias das frases.

Quase morto, quase.

Me espatifei.

Sobrevivi.

Ondas revoltas me lançaram de costas às lascas finas dos corais.

Mas felizmente e como sempre, um cardume de versos me esperava no cais!

(Camões, O Náufrago)

3 comentários:

Marcelo disse...

há sempre um cais no porto e uma água que arrebenta ou acalma os corais!

bjs

Anônimo disse...

esse cais é algo ou alguém?
Guilherme Fernandes

Atriz disse...

P.A.D.D Guilhérmê!!!!(vó Naná falando. kakaka)